Nordeste
dançarinos.jpg
Maranhão (MA)

Bambaê de Caixa

Essa dança é mais encontrada nas cidades de Guimarães, São Bento, Cajapió e Penalva. Acredita-se que ela exista desde a época da escravidão e, atualmente, ela é executada durante a festa do Divino Espírito Santo e para pagamentos de promessas. Na dança, há casais de dançarinas, de preferência 12 casais, que fazem uma roda com um deles dançando no meio. A dança pode ser executada por meio de vários passos e ritmos. Além disso, há passos conhecidos como siriri, mariquinha e catarina. Os casais podem estar de frente para o outro ou de costas.

Cacuriá


Essa dança surgiu nas comemorações do Divino Espírito Santo. Em duplas, é feita a formação de um círculo e são acrescentados instrumentos chamados caixas do Divino (pequenos tambores). A música é feita com versos improvisados no ritmo do carimbó do Maranhão. Além das caixas, a dança utiliza outros instrumentos como a flauta, o violão e o clarinete.

Tambor de Criola


Essa dança é de origem africana e é realizada em prol de São Benedito, que é um santo bastante popular entre os negros. Os passos são descontraídos e além da devoção ao santo, a dança pode ser feita para comemorar uma festa de aniversário, a chegada de parentes, reunião de pessoas e nascimento de um bebê. Ela pode ser executada ao ar livre e os grupos têm passado a dançar o tambor de criola principalmente durante o Carnaval no Brasil e as festas juninas. As dançarinas buscam estar de saias rodadas e coloridas, blusas rendadas e com decotes e colares e pulseiras coloridas. Já os homens utilizam camisas com estampas e calça mais escura.

Dança do Caroço


Essa dança é de origem indígena e se concentra no Delta do Parnaíba. Pode ser realizada por qualquer pessoa e é acompanhada com tambores, cuícas e cabaça. Há os cantores e os dançarinos participam cantando o refrão. Os componentes do grupo dançam em forma de cordão e as mulheres utilizam vestidos brancos.

Outras danças típicas do Maranhão


-Dança do Lelê;
-Dança do Coco;
-Dança de São Gonçalo.

valsa.jpgPernambuco (PE)

Cavalo Marinho


É uma dança de descendência portuguesa, que representa nos seus passos o cotidiano e os problemas enfrentados pelos trabalhadores dos engenhos de açúcar no Pernambuco e na Paraíba. Ela é realizada com a ajuda de instrumentos musicais como o pandeiro, a rabeca e o ganzá.

Caboclinhos


Muito tradicional no estado, Caboclinhos é de origem indígena e há indícios de que é dançada desde o século XV. A música que acompanha os dançarinos é leve com o uso de instrumentos como o ganzá. Os passos de dança exigem rapidez, pois são bem elaborados e representam caçadas e colheitas.

Maracatu rural

Outra dança de origem indígena que surgiu em engenhos de açúcar e canaviais. Ela representa os homens que plantam açúcar com a mistura de vários ritmos. Eles usam uma fantasia pesada e antes de começarem tomam uma bebida para animá-los que leva pólvora, cachaça e limão. As músicas entoadas durante a dança são improvisadas muitas vezes.

Mamulengo

Influenciada pela religião católica e pelos costumes europeus, essa dança buscava representar os personagens do presépio. Utiliza bonecos vazios por dentro sem a utilização de cordas, como acontece nos bonecos mais comuns. Como ele é movimentado com a mão recebeu o nome de mamulengo.

Frevo

Essa dança pode ser encontrada em muitos estados do nordeste; porém, é mais significante em Pernambuco. O frevo surgiu da união de vários estilos brasileiros como a quadrilha, o maxixe e o galope. Ele pode ser executado por qualquer pessoa de idades distintas. As coreografias são variadas e exigem que o dançarino execute passinhos, rodopios, malabarismos e gingados. As mais executadas são: tesoura, dobradiça, pernada, carrossel, parafuso, dentre outras. O frevo é considerado Patrimônio Nacional Imaterial.

Outras danças típicas de Pernambuco

-Ciranda;
-Pastoril;
-Coco.

Rio Grande do Norte (RN)

Espontão


Dança executada por homens que utilizam lanças e fazem uma coreografia que lembra as guerras. São utilizados tambores marciais, responsáveis pela musicalidade do Espontão. As coreografias mais usadas são recuos de defesa, saltos de ataque, acenos de guerreiro e ainda há os passos improvisados.

Site desenvolvido por KERDNA Produção Editorial LTDA